sexta-feira, 16 de maio de 2008

O passado te orgulha no futuro.

Hoje eu vim em paz, meus caros amigos leitores. Vim falar sobre algo que realmente nos deixa aflito uma vez por mês, ou até mais dependendo do caso. E não, não é TPM das mulheres que eu estou falando, mas sim de outro fato que visita no mês, ou até em casos bimestrais e tal.

Do quê eu tô falando? Simples, do fato de você achar que tudo que você fez na vida não deu certo, ou não foi bacana. Que você fracassou em coisas que até o burrinho do Sherek conseguiria se sair melhor, ou algo do tipo. Claro que não vamos generalizar, segundo o Todo Poderoso, todo mundo tem direito a um dia emo. Menos os Mexicanos, pois isso pode levar eles a morte, né?

Mas porquê eu to falando isso? Eu vou fazer uma mágica que vá alegrar todo mundo e ninguém mais terá essa crise temporária? Não menino, eu não mágico na verdade sou, mas guarde segredo. Eu vim aqui em paz, como já disse, relembrar os momentos de triunfos da vida de uma pessoa.

Semana passada eu estava meio para baixo, desanimado e pensando que rumo tomar na minha vida, uma vez que o meu curto período na Faculdade não deu certo e eu não fiz nada demais após cair fora de lá. Entããão eu começei a pensar, o que eu fiz, o que eu sou, ou qualquer merda assim, num dia daqueles emo. Após desligar o Simple Plan que tocava em meu rádio, resolvi pensar na minha vida, e descobri que eu fui tão essencial e especial tantas vezes que isso me animou e fez eu ligar o som, no último, no CrushCrushCrush dos armados do Paramore.

Eu vou falar por mim, e darei meu exemplo aqui, daí vocês podem fazer a mesma coisa aí com vocês mesmo. Eis abaixo as coisas que eu sempre fiz de melhor.

Quando eu era bem pivete, daqueles que nem sabia falar ainda, era loiro e tinha olhos verde. E era bem gordinho, fofinho, e na praia eu usava óculos escuro. Super Fashion, eu sei. E minha mãe conta que uma certa vez, na praia, eu havia sumido e ela me achou no meio de um monte de mulheres bonitas falando o quanto eu era bonitinho e uma gracinha. Tudo estilo a lá Hebe, sendo assim desde sempre o preferido da classe inteligente e bela feminina.

Eu sempre fui o melhor menino dançarino de Dig Dig Joy, do Sandy e Júnior, durante o Pré, onde todos os garotos eram envergonhados o bastante para por o corpo para balançar, e eu não.

Mais tarde, porém ainda há muito tempo atrás, eu era o melhor Mestre Pokémon de todos os tempos, com certificado do Uol e tudo mais. Tinha zerado os principais jogos pokémon da época (leia a versão Green e Red), sabia tudo sobre eles e o nome e a especialidade de cada um. E ainda sei o nome de muitos!

Como se não fosse o bastante, eu ainda era o melhor Power Ranger da turma, nas brincadeiras antigas de quando os PR eram legais e não um bando de idiotas da SPDA, ou algo assim. Eu sempre ficava sendo o vermelho, que era o líder, apesar de eu semprer querer ser o verde, que aparecia de vez enquando, colocava ordem na bagaça e era o mais fodão.


- Depois de tudo isso, é só correr pro abraço!

E há muitos séculos atrás, quando eu nem ia na escola ainda, eu fazia festa construindo meu próprio Kit de Ciências, composto por vegetais, óleo, água e alguns outros alimentos. Ou seja, sempre fui um Cientista, e cá entre nós, era muito bom.

Já na escola, fui condecorado por cinco anos seguidos Monitor de Matemática e Português, sendo sanado de fazer provas pelas notas altas que eu já acumulava. E ainda fazia a felicidade das pessoas perdidas que não sabiam fazer contas e eu podia ajudar a entender o exercício durante a prova, porém eu acaba até fazendo a conta para a pessoa, se eu tivesse dó, é claro.

E também ganhei um prêmio na sexta série por desvendar um problema matemático daqueles que dão dor de cabeça, que era na verdade um problema-desafio para a oitava série, mas eu fui o único da escola que conseguiu resolver. Ou seja, era quase um Pitágoras de tão Matemático que era.

E não pense que a minha vida social era apenas mais pro lado nerd, uma vez eu estava jogando futebol e marquei o gol que deu a vitória para o time. Não, eu não gosto de jogar futebol, eu estava só substituindo um carinha machucado para o time da minha série não ser desclassificado por falta de jogadores. E eu era na verdade do tipo 'tá lá para ocupar lugar, ocupar espaço. Nunca toque para ele'. Mas aí a bola acabou indo pro meu lado e na dúvida do que fazer eu chutei. E não é que foi gol? Tudo bem que antes disso foi no rosto de um carinha, que quebrou os óculos, e aí sim foi pra dentro do gol, mas eu marquei um gol. Esportista 'nato' por engano, quer mais o quê?

Por essas e outras que eu digo, todo mundo, em determinado momento da vida, já foi importante para alguém, ou para alguma coisa e já fez coisas brilhantes. E hoje eu não faço nada brilhante? Claro que sim, eu faço o Dihsastre, ora!

4 comentários:

Anônimo disse...

STOL SHORANOD CON SUA IST´ORIA OKS ??//??/

principalmente na parte das mulheres, eu queria ser igual *cry* *crise emo detected*

Anônimo disse...

STOL SHORANOD CON SUA IST´ORIA OKS ??//??/

principalmente na parte das mulheres, eu queria ser igual *cry* *crise emo detected*

Paulo disse...

Ai que lindo
:'D

Além de ser um metre pokemon, nerd, power ranger
ele é gay
*-*
huauhahuahuuhahuahua

Fábio disse...

e é a pura verdade né? =/

fiz o balanço de minha vida tbm e cheguei a conclusão q nunca fui importante. ._.